Os ecologistas e o turismo: na França, um difícil encontro

Se a ecologia está trazendo uma nova dimensão ambiental e humana a todos as viagens, e se o ecoturismo é citado por 13% dos agentes brasileiros como uma das grandes tendencias pós Covid19, os ecologistas dão as vezes a impressão de ter dificuldades a entender a importância social e econômica do turismo. A ministra da transição ecológica da França, que já proibiu a calefação nos terraços dos bistrôs parisienses, está agora preocupando os profissionais com vários projetos que podem prejudicar o setor. O primeiro seria a proibição dos voos domésticos de curto alcance entre cidades interligadas por trens em menos de duas horas e trinta minutos.

Pompili quer acabar com as publicidades julgadas por ela ofensivas ao meio ambiente

Esse projeto dos ecologistas acabaria com os voos de Paris para Nantes, Lyon ou Bordeaux. Para apaziguar as companhias aéreas, que mostrar os perigos dessa medida sobre o feed dos seus voos internacionais, seriam poupados alguns voos domésticos de conexão bem como os voos inter-regionais exigindo conexões . Mas vem agora um segundo projeto,  a proibição da publicidade de produtos ou serviços com impactos julgados negativos sobre o meio ambiente. Na black-list da ministra Barbara Pompili  constariam assim produtos alimentares considerados pouco saudáveis, ou “cúmplices” do desmatamento em Borneo ou na Amazônia, bem como viagens de avião ou pacotes turísticos responsáveis de emissão de CO2.

Carros, fast foods, roupas, e pasta de avelã seriam incluídos na black list da publicidade

Juntando os protestos das agencias de publicidade, das companhias aéreas e das operadoras, a proibição de cartazes ou de anúncios para  viagens de longa alcance chocou mais ainda os profissionais e os políticos das regiões francesas de ultramar. Com mais de 70% dos seus visitantes vindo da França continental, a Martinica, a Guadalupe, Saint Martin, a Reunião ou as Ilhas de Tahiti teriam que enfrentar mais uma insuportável ameaça para suas economias turísticas já fragilizadas pela crise do Covid19.  Sem se preocupar com o impacto econômica dessas medidas, o Ministério, que validou a lista com um “Comitê Cidadão” nomeado por ele, responde que a redução do consumo de energias fósseis é acima de considerações econômicas locais. 

O turismo autêntico e sustentável nas Ilhas de Tahiti

O tamanho do prejuízo potencial pode porém freiar o projeto do governo. As agências de publicidade estão avaliado as perdas em mais de um bilhão de euros somente para os canais de televisão. As empresas estigmatizadas, Nutella, McDonald, Renault, Peugeot, Air France, e todo o setor da moda, representam dezenas de milhares de empregos que serão ameaçados se as medidas anunciadas foram confirmadas. A luta dos profissionais do turismo das regiões do ultramar francês deve assim contar com apoios valiosos para acabar com os preconceitos dos radicais contre o seu setor, bem como continuar a construir um turismo sustentável e assumindo seu papel de motor do desenvolvimento econômico e humano.

%d blogueiros gostam disto: