Turismo em 2016: choques, mudanças e poucas saudades. Mas tendências e esperanças para 2017.

nice-a-cidade-do-garibaldi

Nice, a cidade de Garibaldi, lutando com garra para recuperar os seus turistas

Mesmo se a OMT está anunciando um crescimento de 4% do turismo internacional em 2016, o ano terá sido de dificuldades em muitos mercados, tanto receptivos como emissivos. Na França, pela primeira vez,  os atentados de Paris e Nice levaram a uma queda de 7% da clientela estrangeira, vindo tanto da Europa como do Japão, dos Estados Unidos e mais ainda dos mercados emergentes  que foram nos últimos anos o motor do crescimento do turismo francês. No Brasil, o segundo ano consecutivo de recessão levou o turismo emissivo a uma queda de quase 15% (e até mais para os dois grandes destinos tradicionais, Estados Unidos e França).

O esqui, um dos sucessos do turismo francês em 2016

O esqui, um dos sucessos do turismo francês em 2016

Se 2016 não deixará saudades, ele viu numerosas mudanças importantes no turismo internacional que impactarão, nos próximos anos,  não somente as decisões dos viajantes mas também o trabalho dos profissionais. Sem poder ainda fazer uma relação completa, três tendências estão se destacando. Os dramas de Paris, Bruxelas, Nice, Orlando e Berlim, os eventos na Turquia, na Tunísia ou no Egito fizeram da segurança um critério absoluto de escolha dos destinos. E enquanto no passado horrores similares tinha sido superadas em 3 a 4 meses, os viajantes esperam agora mais tempo para voltar, exigindo informação transparente, medidas concretas e resultados comprovados das autoridades ou dos profissionais dos destinos atingidos.

Guo Gang Chang, da Fosun, a nova cara do Club Med

Guo Gang Chang, da Fosun, a nova cara do Club Med

2016 confirmou a China como um dos maiores atores do turismo internacional. A OMT já tinha anunciado há quase vinte anos que a China se tornaria antes de 2020 um dos primeiros mercados emissores, ela já é o primeiro. Serão esse ano 128 milhões de turistas (mesmo se a metade viajam para Hong Kong, Macau e Taiwan) e US$420 milhões de despesas no exterior. A verdadeira surpresa foi a explosão dos investimentos chineses, com um impacto excepcional na França e no Brasil. Em pouco mais de um ano, vimos o Club Med, a Accor, a Wagons Lits e a Azul passar a ser controladas por gigantes da China que vão sem dúvidas influir nas estratégias desses grupos chaves do turismo nos dois países.

AirBnb parceira do Rio de Janeiro olímpico

AirBnb parceira do Rio de Janeiro olímpico

Foi esse ano também que as grandes empresas da economia colaborativa viraram atores incontornáveis da industria turística. Assim a AirBnb que conseguiu mostrar durante os Jogos Olímpicos do Rio que representava quase 25% da oferta de hospedagem da cidade maravilhosa. Sendo agora líder em muitos destinos, incluindo em Paris, AirBnb deve aceitar uma concorrência leal com os profissionais – pagando impostos e respeitando os códigos de consumidores-. Deve resolver a difícil coabitação entre seus clientes e os moradores das vizinhanças. Mas os seus sucessos de 2016 junto aos viajantes, os acordos passados com redes hoteleiras e o lançamento da operadora Trips, mostram que a AirBnb e os grupos da economia colaborativa são hoje atores profissionais do setor que vão contribuir a mudar o turismo mundial.

O impacto da eleição de Trump sobre o turismo preocupa os profissionais americanos

O impacto da eleição de Trump  preocupa os profissionais americanos

Outros eventos importantes que marcaram 2016 vão influenciar as viagens internacionais em 2017,:grandes mudanças políticas – Brexit, eleição de Trump ou Paz na Colombia- , evoluções do cambio – força do dolar, queda do Euro ou firmeza do Real, sem que seja ainda possível de medir os seus impactos. Mas é certo que desde o mês de setembro as tendências das viagens internacionais deram uma forte melhoria, projetando 15% de crescimento entre o Brasil e a França. Podemos assim desejar uma “Bonne Année” a todos os viajantes e a todos os profissionais do setor contando que 2017 vai ser mesmo um Feliz Ano Novo!

Jean-Philippe Pérol

Azul, agora não somente verde amarelo mas também vermelho

Azul, agora não somente verde amarela mas também vermelha

Carlson: para os herdeiros da Wagons lits, uma nova era chinesa?

Estande da Carlson Rezidor no ITB de Berlim

Estande da Carlson Rezidor no ITB de Berlim

Já sócio da Azul e de varias empresas de aviação ou de hotelaria na Espanha, na Suíça e na própria China, o grupo chinês HNA acabou de comprar uma participação majoritária na Carlson Redizor. Dona de muitas marcas importantes como Radisson Blu, Radisson, Radisson RED, Park Plaza, Park Inn by Radisson, Quorvus, Country Inns & ou Suitecwt_logo1s, essa empresa da Carlson, que começou em 1960 comprando o Hotel Radisson de Minneapolis, administra hoje mais de 1400 hotéis no mundo. Mais conhecidas no Brasil por ter herdadas a fabulosa historia da “Compagnie internationale des wagons lits et du tourisme”, as agencias de viagens da Carlson Wagonlit Travel não foram incluídas na transação mas os analistas já projetam novos possíveis lances.

O Grande Hotel de Pequim então da Wagons lits

O Grand Hotel de Pequim então da Wagons lits

Vendo essa notícia ligando a China, a hotelaria e a Wagons lits – onde trabalhei oito anos no Brasil e na França -, me lembrei da minha primeira reunião em Paris com o diretor financeiro da empresa, quando tinha sido impressionado por um quadro na parede do seu escritório. Ele mostrava uma carta no papel timbrado do Grande Hotel de Pequim, mandada em 1951, pouco tempo antes da estatização pelo regime comunista. 521de778a4e8b5f2fbe0f04976ad16ebEsse palace, onde o escritor francês André Malraux escreveu seu maior livro ” A condição humana”, era parte da cadeia hoteleira da Wagons-lits “Les grands hôtels des Wagons-lits”,  fundada em 1894. Hoteis de luxo tinham sido abertos nos maiores destinos internacionais: o Pera Palace de Istambul, o Terminus de Bordeaux, o Grand Hôtel de Marselha, o Excelsior de Bruxelas ou o Travel Palace de Paris, num prédio dos Campos Eliseus 107 onde fica hoje uma agencia do banco HSBC.

O Pullman Paris Tour Eiffel

O Pullman Paris Tour Eiffel

Depois de ter perdido os seus prestigiosos palaces, e de ver os seus hotéis espalhados entre as marcas Etap, PLM, Altea e Arcade,  Wagons lits tentou em 1986 voltar como grande ator da hotelaria mundial, lançando a marca Pullman como bandeira dos seus cinco estrelas e também como nome do novo grupo. Antoine VeilMesmo como toda força da companhia, e o prestigio do seu então Presidente Antoine Veil, já era tarde. Comprando a Compagnie internationale des wagons-lits et du tourisme (CIWLT) em 1991, Accor fusionou dois anos depois a Pullman recém nascida com a Sofitel. A marca voltará a ser utilizada a partir de 2007 -inclusive no Brasil- para os hotéis middle-scale do grupo francês.

Sofitel Wanda em Pequim

Sofitel Wanda em Pequim

Separada da Carlson desde 2006, mas também herdeira da Wagons lits, a Accor já voltou na hotelaria de luxo em Pequim, não com o Grand Hotel mas com um espetacular Sofitel Wanda. Para Carlson Rezidor a entrada da HNA  marcará talvez novas ambições para o grupo. A HNA, que quase comprou a operadora FRAM em 2015, poderia também fazer outras propostas incluindo outros reencontros. E mesmo agora espalhados, os mitos da Compagnie Internationale des Wagons lits et du tourisme continuarão a alimentar os sonhos dos viajantes.

Jean-Philippe Pérol

Assinatura do acordo entre a chinesa HNA e a americana Carlson

Assinatura do acordo entre a chinesa HNA e a americana Carlson