Mazagão, do Marrocos ao Amapá, a glória de São Tiago!

MazagãoVisitando no Marrocos a charmosa cidade balneária de Al Jadida, o viajante brasileira fica surpreso em saber que a memoria desse antigo presidio português continua até hoje num recanto do Amapá. A historia começou em 1502 quando os portugueses construíram em Mazagão, no littoral marroquino, um porto fortificado, com poderosas muralhas e cisternas de agua potável, citerne-el-jadida1que desafiou os reis mouros até 1769. Nessa data, o Portugal, enfraquecido depois da destruição de Lisboa, decidiu abandonar a cidade cercada por um imenso exercito. Mas o Marquês de Pombal queria que o extraordinário espírito de luta desse ultimo presidio português continuasse a vingar. Ele  decidiu então transferir as últimas 340 famílias do outro lado do Atlântico para ser os guardiões da margem norte do Rio Amazonas onde ingleses, franceses e holandeses realizavam incursões armadas.

IMG-20101227-00076 - copie

Depois de duas paradas em Lisboa e Belém, os 2000 sobreviventes chegaram perto de Macapá, e em 1773 Mazagão ressuscitou nas terras tupiniquins. Os colonos reconstruíram a catedral, um teatro, e trouxeram também as suas tradições. IMG-20101227-00067 Assim, desde o ano de 1777, os mazaganenses continuam encenando a batalha de Clavijo, em 844, quando a aparição de São Tiago como um soldado lutando ao lado dos cristãos deu a vitoria para as tropas do Rei Ramiro. Hoje as Festas de São Tiago, as mais antigas desse género no Brasil, correm durante a segunda quinzena de junho. Os traslados da estátua do santo para Macapá e Novo Mazagão (hoje sede do município), a encenação da batalha são momentos de muita emoção, sendo o momento mais esperado o juramento  do santo feito por um figurante,  distante herdeiro dos fidalgos portugueses transferidos para Amazônia: “Puxo a espada da bainha, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. O juramento de SantiagoJuro pela cruz da minha espada, que só a colocarei na bainha quando pôr fim a essa batalha com a minha vitória”. A festa tem também grandes momentos de alegria com as danças do Vominê, o grande Baile das Mascaras ou a Festa das Crianças, uma programação rica e completa que poderá em breve ajudar a atrair para a “cidade que atravessou o Atlântico” turistas vindos do Sul do Brasil ou da Guiana francesa vizinha.

cavaleiros_002

 Longe do Amapá, Al Jadida é hoje um grande centro turístico internacional. A cidade é inscrita ao patrimônio mundial da UNESCO, e os maiores edifícios construídos pelos português, do Bastião de São Sebastião até a Capela da Inquisição, das cisternas até a Porta do Mar por onde fugiram os mazaganenses, são visitados por viajantes do mundo inteiro. Al Jadida, as praiasE, ao Norte, as praias de Azemmour oferecem alguns dos melhores resorts do Marrocos, incluindo um Pullman Royal Golf e SPA . Mas as festas dos cavaleiros marroquinos não homenageiam mais o vencedor de Clavijo, elas louvam as vitorias dos mouros, e quem procura os juramentos de São Tiago terá mesmo que ir para Mazagão Velho.

 Jean-Philippe Pérol

Fantasia em Al Jadida

Deixar comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s