Giscard em Manaus, 8 horas para uma visão da Amazônia

 

O  casal presidencial recebido pelo governador Enoch Reis, na fila o Jean Philippe Pérol

Presidente da França de 1974 a 1981, Valery Giscard d’Estaing foi o primeiro dirigente francês a visitar a Amazônia. Numa viagem rápida de 4 dias, ele fez questão de passar oito horas em Manaus para uma visão relâmpago dessa região que já era, com a Transamazônica, a Zona Franca, e os grandes projetos desenvolvimentistas (“Desenvolver para não devolver”, “Integrar para não entregar”), nos focos da atualidade no Brasil e no mundo. Passando por cima do pouco entusiasmo dos seus anfitriões do Rio, São e Brasília, e seguindo os conselhos do seu amigo Michel Poniatowski que tinha visitado a cidade no ano anterior com o agente consular e diretor local da Air France, o Presidente chegou no aeroporto numa manhã de Outubro de 1978.

Nas redes dos amigos da Polícia Federal, a fauna da Amazônia

A preparação da sua viagem não tinha sido muito conforme ao protocolo tradicional. Fora o encontro com o então governador Enoch Reis e a visita da cidade,  toda organização tinha sido confiada ao jovem agente consular da França que tinha proposto um almoço com a pequena comunidade francesa no hotel Tropical, seguido de um passeio no lago Mamori, com três pontos fortes: pescaria, seringueiras e castanhais. O almoço foi descontraído, com todos os pesos pesados do governo que acompanhavam o presidente – Simone Veil, Alain Peyrefitte et Jean François Deniau-, conversando livremente. Cortês, mas sempre distante, Giscard só precisou de um rápido briefing do agente consular para fazer um brilhante discurso sobre as relações franco brasileiras e o exaltante futuro da Amazônia.

No seringal do Girão, o Giscard se impressionou com a história da borracha

Foi no Mamori que o Giscard teve suas maiores emoções. Os cenários foram preparados  com a ajuda de alguns empresários manauara – Fernando Duque levando o presidente-, da polícia federal, da aeronáutica e da equipe da Air France de Manaus – reforçada pelo Gilles Saint Exupéry. Tinham como destaques uma puxada de rede – onde tinham sido pendurados alguns minutos antes um tucunaré, um jacaré e uma tartaruga -, bem como a visita de um seringal onde o presidente ficou impressionado com a história da borracha e as terríveis condições de vida dos homens que escreveram essa epopéia. Na saída da mata, Giscard não esqueceu a elegância e pediu para o coronel que o acompanhava de lhe trocar os sapatos antes de entrar no helicóptero que o levou de volta para Manaus.

A volta de helicóptero, com um tucunaré presenteado pelo Saint Exupéry

A viagem de Giscard faz parte hoje da história de Manaus – o presidente francês foi um dos poucos líderes mundiais que afirmou na cidade a sua crença no desenvolvimento da Amazônia. Algumas perguntas ou fakenews cercaram essa viagem histórica. Não chegou de Concorde, mas foi embora no Jumbo da Air France que pousava nessa época duas vezes por semana na capital do Amazonas. A visita do Mamori não foi acompanhada pelo governador, a mais alta autoridade presente foi o Major Brigadeiro Protásio que emprestou helicópteros e hidravião para a operação. Enfim os filhos do Giscard não participaram da viagem, mas na primeira lista protocolar constava os nomes de três deles, inclusive do Henry que hoje lidera o Club Mediterranée. Se tivesse vindo, quem sabe se a visita relâmpago do Presidente francês teria impactada mais ainda o turismo na Amazônia?

Jean Philippe Pérol

Henri Giscard d’Estaing no Lake Paradise com Caroline Putnoki, Janick Daudet e Jean Philippe Pérol

Deixar comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s